De bonde pelo centro histórico de Santos: passeio bacana e baratinho

Bonde percorre várias vias do centro histórico de Santos

Bonde percorre várias vias do centro histórico de Santos

Quem visita Santos tem a oportunidade de conhecer o centro histórico de forma inusitada: de bonde. Este tipo de transporte saiu de circulação completamente em 1971. A cidade fez o restauro de alguns veículos, em parceria com o Rio de Janeiro, que conta com os bondes do bairro Santa Tereza, e instalou linhas aéreas e trilhos em parte da cidade, para retornar aos áureos tempo.

O passeio nostálgico é curto, tem cerca de cinco quilômetros e dura pouco mais de 15 minutos. O bonde é conduzido pelas ruas do centro histórico a vagarosos 20 km/h. Um guia turístico acompanha todo o percurso e fala sobre a história da região. E, antes de embarcar, você pode conversar com um ex-condutor do bonde, que faz parte de um projeto da Prefeitura chamado Vovô Sabe Tudo.

Para passear no bonde, o ingresso custa R$ 5. Com o ingresso, o visitante pode desembarcar em alguns pontos de interesse e embarcar novamente no próximo bonde. São eles: Outeiro de Santa Catarina, marco da fundação da Vila de Santos, e no Palácio Saturnino de Brito, sede da Sabesp – deste ponto também é possível chegar ao Complexo Turístico do Monte Serrat, em cujo topo se tem uma visão panorâmica da cidade.

O passeio é indicado para crianças, que adoram andar de “trenzinho” e ver o mundo sob um novo ângulo. Só é necessário cuidado para que as crianças não fiquem na ponta nos bondes totalmente abertos. Alguns são fechados na parte inferior.

Serviço:

Onde: Saídas da Praça Mauá, a cada meia hora.
Quando: De terça a domingo, das 11h às 17h.
Quanto: R$ 5 (com direito a três descidas e retornos)
Mais Informações: (13) 3201-8000, Disk Tour 0800 17 38 87

Leia mais:
Santos:
- Museu do Mar e Museu Marítimo;

- Aquário Municipal;

- Pinacoteca Benedito Calixto;

- Orquidário.

ÉRICA FRANÇA
Fotos: Fábio Mendes

Documentos para viajar ao exterior com crianças

documento (1)Os preparativos de uma viagem com criança devem ser minuciosos. Além do que levar na mala e no carro ou no avião, é preciso se atentar ainda ao seguro-saúde e aos documentos necessários para que a criança seja autorizada a viajar.

Se você planeja uma viagem ao exterior com crianças, saiba que elas precisam ter consigo os documentos pessoais. Se a viagem for aos países do Mercosul, é preciso que seu filho possua RG. Para quem mora no Estado de São Paulo, é fácil retirá-lo: basta agendar uma hora no Poupatempo mais próximo – veja aqui os locais - , levar os documentos requisitados (foto 3×4, original e cópia da certidão de nascimento) e fazer o documento.

Se você for viajar sozinha com a criança, é preciso uma autorização do pai com firma reconhecida. Se for o pai quem está em viagem, é necessário a autorização da mãe, sempre com firma reconhecida.

Caso a viagem seja para um país fora do Mercosul, seu filho ou filha precisa de um passaporte.

Como tirar passaporte
No site da Polícia Federal, agende uma data para ir até o posto mais próximo e faça a emissão do boleto para o pagamento da taxa para o passaporte – R$ 156 (em maio de 2014).

Se seu filho for menor de três anos, é preciso levar uma foto de rosto, colorida, atual e com fundo branco, sem data. Se for maior de três anos, a foto será feita no posto da Polícia Federal.

Note que é preciso também levar uma autorização preenchida por pai e mãe para que a criança possa tirar seu passaporte. A autorização pode ser impressa a partir do site da Polícia Federal, neste link.

É importante ficar atento aos documentos necessários para não enfrentar nenhum problema que seja evitável – como não poder embarcar porque não tem a autorização do cônjuge. Este tipo de dificuldade é ainda mais chata quando estamos com uma criança a tiracolo. Fique atento, prepare tudo com antecedência e faça uma excelente viagem.

Confira o “Manual Relativo a Viagens de Menores ao Exterior” do Poder Judiciário”.

Leia mais:

- Dicas para entreter crianças em viagens longas.

Érica França

Santos e região: posts compilados

A cidade de Santos é um dos principais destinos turísticos do Estado de São Paulo. Além das praias, conta ainda com um centro histórico bem preservado e atrações para toda a família. A abertura de novos museus, além da reforma de outros já existentes, torna a cidade ainda mais atrativa.

- De bonde pelo centro histórico;

Museu do Mar e Museu Marítimo;

Aquário;

Pinacoteca Benedito Calixto;

Orquidário.

Leia também

Acqua Mundo – Guarujá;

Zoológico – São Vicente.

Dicas de como entreter uma criança durante uma viagem longa

CriançasSeja no carro, no avião ou no trem, não é fácil fazer uma viagem longa com uma criança, certo? Nem sempre. Certamente, é preciso respeitar os limites da criança e entender que o ritmo de um adulto e o do seu filho podem ser bem diferentes. Mas isso não significa que sua viagem precise ser difícil.

Faça um planejamento antes. Dependendo da idade do seu filho, é aconselhável envolvê-lo nos preparativos, para que ele aguarde feliz a viagem tanto quanto você e saiba que irá visitar um zoológico diferente, um museu bacana. Pense previamente em atividades que agradam seu filho (a) e prepare algumas delas.

No carro ou no avião, leve uma mochila com alguns objetos queridos e que o deixarão ocupado. A viagem de carro pode incluir várias paradas, para que a criança descanse, ande um pouco, faça um lanchinho, veja uma paisagem diferente. No avião, isso já não é possível. Então, leve consigo alguma guloseima, água ou suco e se informe antes sobre o cardápio do avião para crianças.

Já fiz uma road trip com minha filha, quando ela tinha um ano, e deu tudo certo. Bastou respeitar seus limites, parar de vez em quando, não tentar percorrer muitos quilômetros em um só dia, contar historinhas, dar bolachas e oferecer bonecos de pelúcia e de seus personagens preferidos. Viagem longa de avião será a primeira. Veja o que vai na mochilinha dela.

O que vai na mochila dos pequenos?
praia (1)Estou preparando a mochila da minha filha para uma viagem de 11 horas, sem contar a espera na escala e do check-in. A própria mochila já deve deixá-la entretida por algum tempo. Ela ainda não sabe, mas viajará com a mochila da Peppa, a porquinha querida dos pequenos atualmente.

Para ir dentro da Peppa, estou preparando uma série de desenhos para ela pintar – da própria porquinha, do Patati Patatá, do Nemo. Cada personagem deve deixá-la entretida por mais algum tempo. O estoque de giz de cera está sendo devidamente providenciado.

Minha filha também adora livros. Então, algumas historinhas vão viajar com ela. Não são livros pesados, mas um de pano, com dedoches, outro de papel cheio de figuras. Mais um tempo de tranquilidade no voo, seja ela “lendo” os livros ou a mãe e o pai contando-lhe as histórias.

Outro objeto que viajará em sua mochila será um DVD portátil das princesas Disney. O DVD veio com adesivos, que estão sendo guardados para o momento oportuno – o longo voo, quando eles por si só serão um grande atrativo.

Junto com o DVD, vai um case-cachorrinho com seus desenhos preferidos. Ufa! Espero, sinceramente, que consiga entretê-la ao longo da viagem.

Ainda estou levando em conta que o voo é noturno e que ela deverá dormir pelo menos algumas horas ininterruptamente.

E você, como faz para entreter seus filhos durante uma viagem longa? Divida conosco suas dicas. E eu prometo que depois da viagem, conto se as estratégias funcionaram.

Leia mais sobre viagens com crianças:

- Hotel-Fazendão: o primeiro passeio da Carol;

- Orquidário de Santos;

- Aquário Municipal de Santos;

- Acqua Mundo no Guarujá.

A Sut-Mie do blog Viajando com Pimpolhos também tem dicas bem legais sobre o assunto. Passa lá.

ÉRICA FRANÇA
Fotos: Érica França

Zoológico de São Vicente: diversão garantida (e gratuita) para crianças

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Para manter a sanidade durante as férias escolares das crianças, é preciso programar uma série de atividades e passeios. Para fugir de um desequilíbrio no orçamento, uma dica é programar passeios gratuitos e que divirtam muito a criançada.

Uma opção que se encaixa perfeitamente neste quesito é o Zoológico de São Vicente, na Baixada Santista, também conhecido como Parque Ecológico Voturuá.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Aproveite a sua visita à Baixada, que já tem a praia como um ótimo programa para crianças – e gratuito – e encaixe o zoológico na sua programação.

As atrações mais festejadas pelas crianças são os animais maiores, como as onças-pintadas, leões e hipopótamos. Mas também fazem sucesso os macacos, araras, tucano e tartarugas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Além dos animais, o bacana do zoológico é que há uma área grande para as crianças se movimentarem e gastarem bastante energia. Elas podem correr, brincar no parquinho e jogar comida para as carpas em dois lagos – um pequeno, em uma réplica de um jardim japonês; e outro maior, logo à entrada.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Aos finais de semana, há um quiosque da Associação Japonesa de São Vicente, onde é possível comer um ótimo yakissoba por apenas R$ 12. Mesmo nos dias de semana, há uma pequena lanchonete. E, para os adultos, há um pesque-pague dentro do Parque Ecológico.

Serviço:
Onde: Rua Dona Anita Costa, s/nº – Vila Voturuá
Horário de Funcionamento: De terça a domingo, das 9h às 17h
Quanto: Gratuito

Dica:
Outra opção de turismo em São Vicente é o teleférico, que liga a orla ao morro Voturuá. A vista a partir do morro é linda, alcançando toda a orla da cidade e de Santos. No morro, há uma rampa de voo livre. As crianças vão gostar do passeio e de observar quem parte para um salto de asa-delta. Leia mais sobre este passeio no site do Teleférico.

Aproveite para visitar também as seguintes atrações:

Santos:

- Bonde no centro histórico;

- Museu do Mar e Museu Marítimo;

- Aquário;

- Orquidário Municipal.

Guarujá:

- AcquaMundo.


ÉRICA FRANÇA

Chapada dos Guimarães: Véu de noiva, mirante e cachoeiras

Cachoeira Véu da Noiva é a estrela da chapada

Cachoeira Véu da Noiva é a estrela da chapada

A viagem ao Mato Grosso foi pensada exclusivamente para acompanhar uma das partidas da Copa do Mundo (vi a vitória do Chile sobre a Austrália por 3 a 1 na novíssima Arena Pantanal). Mas não podia deixar de conhecer, mesmo que rapidamente, a Chapada dos Guimarães. Aproveitei a manhã e parte da tarde livres para conferir alguns dos pontos mais próximos.

Os três primeiros pontos foram feitos de bicicleta, alugada na cidade de Chapada dos Guimarães: Mirante do Centro Geodésico e as cachoeiras do Marimbondo e da Geladeira. Para chegar a eles é preciso pegar a BR-251, no sentido de Campo Verde, em uma ciclovia improvisada sobre o acostamento.

Vista do Mirante é espetacular

Vista do Mirante é espetacular

O caminho para o Mirante é feito em sua totalidade por esta rodovia. São cerca de seis quilômetros por um trecho relativamente fácil de percorrer, mesmo para alguém fora de forma e que há muito tempo não pedalava, como eu. Há alguns aclives um pouco mais acentuados, mas nada que não seja facilmente vencido pelas marchas da bicicleta.

O Mirante chegou a ser interditado, no início do ano, por causa de possíveis riscos de desabamento. Em junho, porém, a atração foi reaberta. De qualquer forma, antes de visitar a região procure se informar se o local continua aberto à visitação. Porque se estiver, vale muito a pena.

Visitantes encolhem perante a paisagem

Visitantes encolhem perante a paisagem

A vista é acachapante: a vista contempla alguns trechos belíssimos da Chapada dos Guimarães que estão fora da jurisdição do Parque Nacional. Os montes escarpados estão ao lado de um imenso vale, onde a vegetação do cerrado se espalha até onde a vista pode alcançar. Bem ao longe, é possível ver os edifícios de Cuiabá e Várzea Grande. À noite, dizem os locais, a visão fica ainda mais bela sendo iluminada pela Lua e tendo as luzes das duas cidades como referência.

Cachoeiras
Para chegar às cachoeiras do Marimbondo e Geladeira, é preciso pegar o caminho de volta e entrar na rua que dá acesso aos bairros de Altos do Mirante e Sol Nascente. São mais seis quilômetros a partir da rodovia. Aqui, porém, o caminho é bem adverso e o uso da bicicleta só é recomendado a quem está com ótimo preparo físico e disposto a um passeio mais puxado. O caminho é quase todo em declive, o que significa que você terá de encarar só subida ao retornar. Para piorar, o terreno é arenoso, o que só dificulta o passeio em duas rodas.

Cachoeira da Geladeira conta com um lago propício a mergulhos

Cachoeira da Geladeira conta com um lago propício a mergulhos

As duas cachoeiras estão em propriedade particular e, para acessá-las, é preciso pagar uma taxa de R$ 7 para cada uma. É perfeitamente possível conhecer as duas no mesmo dia, pois estão bem próximas. Se por algum motivo tiver de escolher apenas uma, vá à da Geladeira.

Enfim, o Véu de Noiva
Com 86 metros de altura, a cachoeira Véu da Noiva é a grande estrela do Parque Nacional da Chapada dos Guimarães. Mas a região conta com outras trações, como o Circuito das Cachoeiras, as cavernas Casa de Pedra e a Lagoa Azul. No entanto, é preciso mais de um dia para poder conhecer todas estas belezas naturais.

Como eu só tinha uma tarde livre, fui direto ao Véu de Noiva. A entrada do parque está localizada na rodovia Emanuel Pinheiro (MT-305), entre Cuiabá e a cidade de Chapada dos Guimarães. Após a entrada do parque, há uma caminhada curta de uns 300 metros, até o mirante de onde é possível vislumbrar a queda d’água. Antes mesmo de chegar ao local já é possível ouvir o revigorante barulho da água caindo com violência ao solo.

Ao chegar, a visão é estupenda: a cachoeira é envolvida por paredões vertiginosos em formato de ferradura. O leito do rio, antes e depois da queda, é ladeado pela vegetação do Cerrado. Este é o momento ideal para a contemplação longa.

Leia mais:

- Chapada dos Guimarães: turística e autêntica.

FÁBIO MENDES

Brasília: guia rápido para visitar a cidade na Copa do Mundo

Vista do mezanino da Torre de TV, próximo ao Estádio Mané Garrincha

Vista do mezanino da Torre de TV, próximo ao Estádio Mané Garrincha

Capital do Brasil desde 1960, Brasília é uma cidade sui generis em todos os quesitos. Moderna, organizada e limpa, ela vem surpreendendo os visitantes estrangeiros, que têm como referências nacionais cidades como Rio de Janeiro, Salvador ou São Paulo.

Brasília ainda abrigará mais duas partidas da Copa do Mundo: Argentina e Bélgica, pelas quartas-de-final (dia 5) e a decisão do terceiro lugar (dia 12). Ambas serão realizadas no imponente e belíssimo Estádio Nacional Mané Garrincha, com capacidade para 70 mil pessoas (a maior arena do torneio, depois do Maracanã).

Entendendo a cidade
A cidade de Brasília propriamente dita se resume ao Plano Piloto, fruto do projeto urbanístico de Lúcio Costa. A principal artéria e ponto de referência é o Eixo Monumental, onde estão localizadas a Esplanada dos Ministérios e a Praça dos Três Poderes, que compreende as sedes do Executivo (Palácio do Planalto), Legislativo (Congresso Nacional) e Judiciário (Supremo Tribunal Federal).

Também nas proximidades do Eixo Monumental ficam o Estádio Mané Garrincha, o terminal rodoviário e alguns importantes pontos turísticos, como a Catedral e a Torre de TV.

Toda a cidade é delimitada por setores. Há regiões exclusivamente residenciais e blocos comerciais segmentados (uma região apenas de hotéis, outra reservada aos bancos etc). As principais são as Asas (Norte e Sul). Um pouco mais afastados estão os Lagos Norte e Sul, banhados pelo lago Paranoá.

Fora do Plano Piloto, existem as cidades-satélites, que funcionam como as cidades-dormitório de grandes regiões metropolitanas. Entre elas estão Gama, Taguatinga, Ceilândia e Águas Claras, por exemplo.

Chegando em Brasília
O Aeroporto Internacional Juscelino Kubitscheck foi ampliado para receber a Copa e ganhou dois novos setores, com 20 mil metros quadrados cada um. Com as melhorias, o local terá capacidade para receber 25 milhões de passageiros por ano (o maior do Brasil, Cumbica, recebe 42 milhões anualmente).

Para ir do aeroporto a Brasília é preciso ir de ônibus. Uma linha de veículos executivos, com ar condicionado, foi criada especialmente para a Copa, passando próximo ao estádio Mané Garrincha, à região dos hotéis e ao Eixo Monumental. A passagem custa R$ 8. Há também uma linha de ônibus urbano (Circular/Aeroporto), bem menos confortável, mas que faz praticamente o mesmo itinerário por R$ 2. O percurso entre os terminais aéreo e rodoviário é de aproximadamente 45 minutos.  Uma corrida de táxi entre o aeroporto e o Estádio sai por aproximadamente R$ 50.

Indo do Terminal Rodoviário ao Mané Garrincha é possível pegar o ônibus Circular/Estádio ou mesmo ir a pé, já que a arena está a cerca de 2 quilômetros do estádio. Outras 18 linhas passam nas cercanias do local dos jogos. Também da rodoviária é possível pegar o Expresso DF, uma linha de BRT que passa por Candangolândia, Park Way e Gama.

Estádio Mané Garrincha tem capacidade para 70 mil pessoas

Estádio Mané Garrincha tem capacidade para 70 mil pessoas

Para quem procura interagir com os demais torcedores antes e depois do jogo, um dos principais pontos é a Feira da Torre, com sua praça de alimentação e feira de artesanato, localizada a cerca de 1 km do estádio. A Torre de TV, situada ao lado, é um ótimo mirante.

A Fan Fest, por sua vez, está instalada no Taguaparque, na cidade-satélite de Taguatinga. Para chegar a ela, o melhor caminho é o metrô. Pegue o trem sentido Ceilândia e desça na estação Praça do Relógio. O metrô de Brasília parte da Estação Central (próximo à rodoviária) e percorre a Asa Sul, rumo a Guará, Taguatinga, Ceilândia, Águas Claras e Samambaia.

Fique atento: no trecho entre a Estação Central e Águas Claras, as duas linhas do metrô percorrem os mesmo trilhos, percorrendo caminhos diferentes a partir de então, num esquema semelhante ao do Rio de Janeiro. Por isso, cuidado para não pegar o trem que vai pelo outro caminho (Samambaia).

Leia mais:

Brasília:
- Palácio da Alvorada.

Outras sedes da Copa:

- Belo Horizonte;

- Curitiba;

- Porto Alegre;

- Rio de Janeiro;

- São Paulo;

- Natal;

- Cuiabá.

Fábio Mendes